Publicidade

Como prevenir a Epicondilite lateral no Tênis?









A epicondilite lateral como uma patologia específica da origem da musculatura no epicôndilo lateral, geralmente causada por sobrecarga, em que microlesões são geradas na região de inserção dos tendões extensores (mais frequentemente o extensor radial curto do carpo) do punho, dos dedos e, em menor grau, o extensor radial longo do carpo, além da porção anterior do extensor comum dos dedos.

A epicondilite lateral do cotovelo acomete de 1 a 3% da população adulta entre 30 a 60 anos de idade, e pode ocorrer em ambos os sexos, porem a prevalência é maior no sexo masculino, acometendo principalmente o braço dominante.

A patologia também conhecida como "cotovelo de tenista" pois estima-se que de 10 – 50% dos jogadores de tênis tendem a desenvolvê-la ao longo da carreira.

A dor, geralmente, inicia-se de forma leve e piora progressivamente na região do epicôndilo lateral, podendo irradiar para o antebraço, punho, mão e ombro. Conforme se agrava a tendinopatia, tarefas simples como pegar um recipiente com leite ou girar uma maçaneta podem tornar-se difíceis de realizar.

Com relação à prática esportiva, devemos lembrar sempre da biomecânica do tênis, esporte que mais frequentemente causa esta lesão. Estima-se hoje, segundo relatos da literatura nacional e internacional, que cerca de metade dos tenistas vão ter em algum dia da sua vida esportiva esta lesão, conhecida como tennis elbow. A empunhadura e os golpes de rebatida do tênis requerem a utilização abrangente dos extensores do antebraço. Os extensores se tornam lesionados à medida que os músculos vão sendo fadigados pela atividade repetitiva.

A técnica incorreta na realização dos golpes é o fator que mais frequentemente causa a epicondilite lateral. Pacientes que desenvolvem o cotovelo de tenista, de um modo geral, batem seus golpes de backhand com o "cotovelo a frente" sem completar o movimento até o final da batida. Sabe-se que isso provoca estresse excessivo no epicôndilo lateral e atividade anormal da musculatura do antebraço. Outra dica importante da prevenção: se o tenista conseguir jogar com as duas mãos o golpe de backhand isso também previne as lesões. Isso se explica por dois motivos: em primeiro lugar, o atleta dissipa as forças de impacto do golpe nos dois membros superiores; secundariamente, ele também é forçado a rodar mais o tronco na fase de preparação do golpe, o que vai fazer com que a sua energia angular seja maior, evitando o esforço do membro superior dominante isoladamente. Em nossa casuística pessoal, do consultório, de um total de 326 tenistas que tiveram epicondilite lateral - tratados de 2004 a 2009 - somente quatro jogavam o backhand com duas mãos.

A epicondilite lateral pode ocorrer pelo uso de equipamentos inadequados. O tamanho da empunhadura da raquete deve ser observada cuidadosamente e personalizada de cada um com o tamanho da mão do atleta, a tensão das cordas da raquete também deve ser medida. Recomendamos, de rotina, que, sempre que o tenista não tenha objeção, em detrimento do rendimento, que sejam utilizadas raquetes de perfil largo. Estas têm a cabeça maior, e área de vibração mínima (sweet spot) maior, o que previne o excesso de vibração na hora da rebatida.

Outra dica importante para o tenista: tensões do encordoamento acima de 57 libras também aumentam a chance de lesão e é por isso que hoje recomendamos que se escolha um equipamento adequado ao seu tipo de jogo e à potência dos golpes que normalmente ele utiliza.

Recomendações gerais para prevenção da epicondilite lateral em tenistas:

a. Evitar bater as bolas atrasadas

b. Aprender a realizar o complemento dos golpes (saque, direita, esquerda e voleio) de forma adequada

c. Procurar fazer o contato da bola com a cabeça da raquete com o cotovelo posicionado sempre em extensão

d. Preparar bem a rotação de tronco antes do golpe de backhand para poder fazer a rebatida com o cotovelo em extensão

e. Evitar jogar com bolas muito velhas

f. Usar tensões máximas do encordoamento de 56/57 libras

g. Preferir cordas de tripa sintética ou tripa natural

h. Usar raquetes com perfil largo na cabeça, pois elas têm área maior de vibração central mínima (sweet spot)

i. Aproveitar a força de flexão dos joelhos na hora do saque

j. Tentar jogar o backhand com as duas mãos.

No tênis, exemplo clássico de esporte em que é bem frequente este tipo de patologia, a dor geralmente é exacerbada em decorrência do golpe de backhand e, geralmente, acomete pacientes dos 35 aos 50 anos de idade.

Conheça o Ebook "Guia prático da Epicondilite" com exercícios poderosos para uma patologia que acomete milhares de pessoas. Descubra como acabar com as dores, fortalecer seu cotovelo e retornar as atividades rapidamente através de exercícios simples, mas poderosos. Saiba mais clicando aqui!


Comente:

Nenhum comentário